segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Refazendo Padrões em Praça Pública

Credito todos para Ana Ester Freire 

Refazendo  Padrões em Praça Pública

Com a liberdade de expressar por onde eu possa passar,  a arte tem permeado meus caminhos em busca de transformações. Assim como existe no belo o feio, cabe a cada um usar a sua lente para apurar os fatos.
 Sou uma voz, um artista que luta pelos direitos dos excluídos. 2016 foi um ano de conquistas, parcerias e lutas mas também de muitas perdas. O que seria do mundo se não houvesse os conflitos? Na busca de compreender a vida com um toque mais leve, procuro com liberdade usar o que sei fazer, arte, para me libertar e quiçá conquistar olhares curiosos, destemidos, bravos, fracos, militantes, desprovidos de cultura, poetas, músicos, psicólogos, políticos, politiqueiros, quem quer se seja em busca de um lugar ao sol melhor para todxs. 
Apreender e abrir a escuta tem sido a minha bandeira. Buscando aqui e ali ( entre nobres e favelados porque não?) o discurso da igualdade, da desglamourização da arte e da religiosidade. 
Vivo em comunidade porque preciso do outro e é no outro que me encontro com a simplicidade nas palavras, mas com o coração cheio da virtude maior que pode existir em nos. 
 O amor,
 verdadeiro em sua essência pelo que fazemos por nós e pelos outrxs. 
Vivemos momentos em que a visibilidade se tornou maneirismo e moeda de sobrevivência, então que nossas gargantas estejam afiadas como os saltos, as perucas, as pernas-de-pau, os nariz vermelhos, as maquiagens borradas para gritar aos quatro cantos. 
EXISTIMOS!!!!!
Nosso jeito QUEER de ser existe e está no meio de nós. 
Sejam gays, homens, mulheres, trans, travestis, lésbicas, bissexuais, brancos, negros, amarelos, índios, nordestinos, japoneses, putas, garotos de programa...
Todxs EXISTIMOS e temos direito à vida. 
By 
Marcelo Oliveira 


quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Números e Pessoas - Importância substancial

Credito fotos Leila Verçosa

2016 
Reencontros mais que importantes, porque sem amigos não somos felizes. 

2017

Ano importante quando tenderemos a observar mais o próximo.
 Seremos mais cuidadosos...
Sejamos atentos aos pequenos detalhes pois eles fazem uma enorme diferença. 
Que cai sobre nós a firmeza, determinação  e ousadia com gentileza. 
Salve o ano do Galo!

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Virtualidade, virando imagem



Estranho muito estranho. Tenho cada vez mais a sensação de que estou virando virtual...
Será que vou sumir?
Vejam só...se você sai do foco...você some.
Aquela mera importância vira pó desprezível ou ignoravel... Estranho muito estranho...entender que em olhares existem memórias...
Estranho muito estranho.
Ahhh ta talvez viver na virtualidade seja bom também...
Estranho muito estranho!
Talvez eu esteja cansado de ser gente e queira viver só de imagens.
Estranho muito estranho!

By
Marcelo oliveira

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Adeus Ano Velho...2015 de Paz, Harmonia e Amor




Direitos imagens PAPI.jpg. internete 2014.

Retrospectiva 2014,  ano de decisões importantes, desinteressantes, transformadoras e até desnecessárias.

          Cabe a cada um analisar suas ações, das lembranças com saudades positivas ou negativas, analisar.
2014 foi um ano de poucas conquistas, mas de uma intensidade profunda na correria do tempo. Iniciamos o ano (já) pensando na tal Copa do mundo do Brasil lá em  julho, momento de desestrutura nos calendários escolares por razão do tão esperado evento.
Em fevereiro iniciávamos um corrida frenética em busca de temas, leituras adaptações, improvisações, jogos e brincadeiras para decidir o mais rápido possível quais os textos de teatro a serem montados com alunos na escola. Depois de muito trabalho coletivo, focamos no Sítio do Pica-pau-amarelo, confesso que foi um delicia voltar a infância, reler a obra de Monteiro Lobato e muito tranquilo trabalhar com um grupo de 55 crianças em três montagem cênicas. No trabalho com os alunos carentes, o  envolvimento foi político e social focado na vivência e valores experimentados em suas comunidades-favelas. Optamos trabalhar a Historia de Formiguinho ou Deus ajuda os Bãos, outra viagem ao passado, uma vez que este texto me fez entender o real valor do teatro em grupo e conhecer a fundo o teatro de rua com a campanha Arthur-Arnaldo nos idos anos 90. Saudades.
Também no teatro aconteceu,  outra grande conquista. O Boca  de cena, grupo tão querido da minha Congonhas do Campo, conseguiu pela primeira vez aprovar um projeto na lei federal e captar um valor significante a partir de um investimento para melhorar e aprofundar as relações, convivências e existência de 17 anos na cidade, almejando sair do amadorismo em busca de profissionalizar-se nas artes cênicas. Montamos  o espetáculo as Desgraças de Uma Criança, de Martins Pena, coube a mim trabalhar o coletivo através de uma vasta "Assistência" ao grupo, preparando o coletivo, o corpo e a voz dos atores, bem diversos em tudo...Alguns  abertos ás transformações e propostas, outros extremamente fechados na realização das ações. Com muito trabalho conseguimos apresentar em três dias no Cinema da cidade o espetáculo com uma equipe numerosa e muito dedicada á transformação humana e profissional através da arte.
          Na música poucos avanços no corrido 2014. Apresentei  mais um Pocket show, desta vez investindo na construção de uma personagem de teatro com musicas pop (s) usando Play back, uma experiência não muito boa, uma vez que o equipamento e sonorização eram de qualidade caseira e a expectativa do acontecimento era maior do que a qualidade apresentada, motivo de desanimo total nas parcerias com músicos e profissionais da área de música.
Chegando mais uma vez na conclusão óbvia. O tempo de dedicação, de ensaios, de conhecimento tecnológico e o dinheiro são necessário para a realização de um simples pocket show, não dá para bancar tudo no peito na raça e valentia, um olhar de fora é importante para quem busca na música entender o diferente lugar proposto para criação desta personagem para o teatro. Foi importante entender que uma música existe para ser transformada e adaptada para minha voz e não ser reproduzida com uma voz existente.
       Teatro, atuação, ator, o palco... Apesar do bom início do ano com a temporada de sucesso de Samba Amor e Malandragem no teatro da cidade, fecho o ano mais uma vez entristecido  por não conseguir colocar em prática o  projeto do monólogo, solo...texto ainda em processo e falta de recursos...
         No campo do conhecimento, tenho orgulho de dizer que esforços foram necessários mesmo passado o tempo de estar em uma faculdade. O novo, a busca pela diversidade, no teatro e nas artes plásticas, entender o mundo através do conhecimento, fortalecer minhas ações práticas de anos apreendidas na vivência do dia a  dia de uma tecnização, estão caminhando firmes, sólidos e conscientes preparando novos projetos para o futuro...
Uma correria danada, trabalhos e mais trabalhos, normas, normativas, aprendizado, avaliações constantes,  tudo muito importante.
Ser aluno novamente, encarar uma sala de aula não foi fácil, mas os resultados foram satisfatórios. Ebá! alegrias por uma conquista que está somente começando...
No pessoal mais alegrias, uma carteira de motorista enfim chegou... (Ufa) depois de 02 anos correndo atrás...ebá ela chegou!  tudo para melhorar a vida das pessoas que vivem ao meu redor. Valeu a pena.
          Na espiritualidade seguimos em comunidade em busca de conhecimento do Jesus, homem histórico, desmistificado, popular, humano que viveu entre os excluídos, pobres, á margem de uma sociedade que continua até hoje atolada em preconceitos e descriminações.
         Apesar de uma copa do mundo fracassada, triste, um país mascarado,  endividado,  uma briga política desnecessária nas telas da Tvs, entristecendo os olhos e corações dos cidadãos brasileiros, vou seguindo, caminhando para o fim do ano de 2014, analisando, fazendo um breve resumo de como tudo passou durante o ano. Agora é momento de férias, descanso merecido pelos esforços, fracassos,  conquistas, dedicações e empenho. Em fim férias!
Momento de parar e respirar, não pensar no tempo, descansar e viver intensamente com  amor, tudo o que Deus nos proporciona... Descanso.

Obrigado 2014. Que venha 2015 cheio de tudo maravilindo! (palavra de uma bela amiga...Gabis).

Obrigado a todos que de peto ou de longe caminham comigo em busca de transformações.

Evoé e Besos

 Marcelo Oliveira

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Nietzsche uma Dinamite da Filosofia




Conheço a minha sina. Um dia, meu nome será associado à lembrança de algo tremendo, de uma crise como jamais houve na face da Terra, do mais profundo choque de consciências, de uma decisão  evocada contra tudo o que até então foi aceito, reivindicado e consagrado. Não sou um homem, sou dinamite. E com tudo isso não sou em absoluto fundador de qualquer religião. [...] Não quero ser santo, preferiria ser bufão. [...] Talvez eu seja um bufão. [...] E apesar disso, ou melhor, não apesar disso – pois até agora não há nada mais traiçoeiro que o santo – a verdade fala através de mim. Mas minha verdade é temível: pois até hoje se chama a mentira de verdade. 

texto CRE- faculdades Claretiano - Batatais 2013 

"Cada dia acredito mais nos meus cachorros, amigos verdadeiros, companheiros por excelência na arte da verdade de amar."
Marcelo Oliveira

domingo, 22 de junho de 2014

Contemplar é preciso









 Crédito de imagens para Lakshmi.apdma.com
320 × 180

               Concentrar no espírito sobre assuntos intelectuais, religiosos e meditar é viver em contemplação. Parar para escutar o interior, aquela voz que vem do coração, se colocar atento no silêncio do corpo e da alma é contemplar.
               A humanidade esta sofrendo com a falta de tempo, todos correndo em busca de acumular coisas. O poder do ter, do aparecer e do conquistar vem se tornado regras para o existir.
O consumismo exagerado entra em nossas vidas como um guerreiro absoluto, impondo maneiras de viver. O ser humano, cada vez mais doente, acumula patologias, apodera-se do conhecimento, gaba-se da ganância das descobertas e vai de vento em polpa acrescentando poder ao individualismo.
Não  existe mais tempo... Aquele gostoso tempo de visitar um amigo, de falar ao telefone com a pessoa amada, de sentar em um banco de praça e ver a vida passar devagarinho com o calor do sol de uma manhã de inverno...não existe mais.
              E assim vamos  seguindo sem conexão, desplugados daquele que nos fez em essência e amor perdendo a oportunidade de contemplar por falta de tempo, a vida e o belo.

"Pare agora, faça algo por você."

Observe as pequenas coisas, nelas existem também o poder da vida.
Faça como os pássaros, contemple, respire em liberdade.

Evoé
Marcelo Oliveira


segunda-feira, 16 de junho de 2014

Encontro de amigos

       


               Vender conceitos na sociedade brasileira é abrir possibilidades para ser feliz. Existir de alguma maneira afeta os olhos de quem se coloca em cima do muro para simplesmente jogar pedras aos que buscam felicidade onde quer que ela esteja.
             E assim, no final do anos 90 éramos Clubers,  discos, eletrônicos, psicodélicos, gays, lésbicas, homens, mulheres, jovens correndo  para  realizar seus sonhos. Uma busca incessante do entendimento de uma sociedade careta e carente. Careta pelo preconceito, carente de cultura.
 Do jeito que dava, do jeito que podíamos e entendíamos  nossas reuniões, raves, trachs, festas, acontecimento de malucos, existentes aqui e ali com belas músicas, deliciosas comidas  e bebidas para aquecer o nosso corpo e a nossa alma ... aconteciam. O mais importante, cercados de amigos que ficarão para sempre em um lugar chamado coração... com lembranças e cheio de saudades.
             Se na vida precisamos vender e comprar para sobreviver.  Sejamos assim, sem preconceito com amor.

Para:Grunge, Bozó, Felipe, Totonho (Baby), Cacá, Leticia, Ariane, Flavinha, Rosana, Bruna, Gesmar, Luciana, Gisele, Xuxa, Adilson (capeta amado), Rogério, Caio e Xande. E tantos outros que novamente ficaram para trás, mas estão eternamente em meu coração.

Texto by Marcelo Oliveira